Corações Feridos | Resenha

10 agosto 2017
Oi, gente! Tive um pequeno imprevisto e acabei atrasando o post que deveria sair no dia 10, né. BEDA, Thaw, BEDA. Enfim, espero que sejam compreensivos e aceitem um post com alguns minutos de atraso :D

A resenha de hoje foi escrita em conjunto com a Ana, do Dreamy Girl in Books. Nós estudamos na mesma faculdade, no mesmo curso, mas em anos diferentes. Termino primeiro, há! Não deixem de conferir o blog dela, ok? E agora, vamos ao ponto:

Thawana irá escrever com a cor azul.
Ana irá escrever com a cor verde.

https://goo.gl/CkfjdM

Nome: Corações Feridos (Black Heart Blue)
Autor: Louisa Reid
Número de páginas: 256
Editora: Novo Conceito

Sinopse: Hephzibah e Rebecca são irmãs gêmeas, mas muito diferentes. Enquanto Hephzi é linda e voluntariosa, Reb sofre da Síndrome de Treacher Collins — que deformou enormemente seu rosto — e é mais cuidadosa. Apesar de suas diferenças, as garotas são como quaisquer irmãs: implicam uma com a outra, mas se amam e se defendem. E também guardam um segredo terrível como só irmãos conseguem guardar. Um segredo que esconde o que acontece quando seu pai, um religioso fanático, tranca a porta de casa. No entanto, quando a ousada Hephzibah começa a vislumbrar a possibilidade de escapar da opressão em que vive, os segredos que rondam sua família cobram-lhe um preço alto: seu trágico fim. E só Rebecca, que esteve o tempo todo ao lado da irmã, sabe a verdadeira causa de sua morte... Hephzi sonhara escapar, mas falhara. Será que Rebecca poderia encontrar, finalmente, a liberdade? (skoob).

Resenha

As gêmeas Hephzibah e Rebecca não poderiam ser mais diferentes. Enquanto Hephzi é a filha querida, a mais bela e comportada aos olhos dos pais, Reb é portadora da Síndrome de Treacher Collins. Sua síndrome é vista como uma maldição dos céus, é a filha preterida e sempre é repreendida por seus atos.

Nós já começamos a história sabendo que as duas apesar de serem gêmeas, há uma diferença entre elas. No começo achei que essa diferença tivesse sido causada por um fato fora da genética, mas logo percebemos que a Reb tem a Síndrome de Treacher Collins, e isso querendo ou não, faz com que todos evitem ela. MAS já vamos deixar claro aqui, que as meninas não tinha aulas na escola, elas estudaram em casa, com a Mãe. Então ninguém estava acostumado com o rosto da Reb, então quando Hephzi consegue convencer os Pais as deixam ir para o ensino médio, é quando todos tem um primeiro contato direto com ela.

Como todas as outras irmãs do mundo, elas brigam entre si, mas se amam. Elas têm uma a outra e isso é muito valioso para elas. A vida de ambas, entretanto, é rodeada de mistérios. Seu pai, o irrepreensível líder religioso Roderick, é todo sorrisos e gentilezas em sua igreja, mas dentro de casa, a história é outra. Seu fanatismo religioso é uma arma de opressão contra sua família.

Isso é verdade, enquanto para todos da sociedade, o pai das meninas é carinho e amor, para dentro de casa, o cara era um verdadeiro carrasco. Tinha certas horas que parava a leitura só por não suportar ler mais partes em que o personagem aparece, pois você está envolvida com a história e acaba querendo defender as meninas. E não pense que a mãe delas as ajudava, muito pelo contrário. Você acaba tendo um sentimento ruim para com os dois, com justificativas impressionantes.

A morte prematura de Hephzi pode trazer vários segredos à tona. Agora sozinha, qual será o caminho que Reb escolherá? Fugir da opressão que sofre em casa, ou ficar exatamente onde está, um lugar que é familiar e conhecido?

A indecisão de Reb sair finalmente de casa, do ambiente que nunca foi amoroso com ela e ficar no único ambiente em que ela conheceu na vida inteira, é o que nos faz ficar presa a esse livro, bom, um dos motivos, o outro é saber exatamente o que aconteceu naquela casa, com aquelas meninas e descobrir ao decorrer das páginas o quanto um ser humano pode sofrer e também o quanto um ser humano agarra a felicidade quando aparece, mas nem sempre isso vai ajudar.

O livro “Corações Feridos” tem uma separação temporal muito bem definida: Antes da Hephzi morrer, e Depois. O Antes é contado sob o ponto de vista de Hephzi e o Depois é escrito pelos olhos de Reb.

Acho que mostrar o Antes pela visão da Hephzi e o Depois pela visão da Reb, nos faz sentir muito mais próximos delas, pois cada uma tem a sua história para contar, cada uma tem seus segredos para desvendar. Vou te dizer, você termina o livro ao mesmo tempo feliz e triste, pois não há mais páginas, acaba ali, num momento e você acaba querendo descobrir o que vai acontecer depois. Adorei como o livro foi escrito e também o que me trouxe. Estávamos comentando que esse livro é difícil de comentar, pois são tantos sentimentos que temos para com ele, que às vezes não chega aos pés. Então, leia. Nada melhor que um leitor ter sua própria opinião sobre um livro. Sinta tudo o que tiver que sentir.



Lady Thaw
É uma sonhadora, amante de livros e literata. Adora cantar, dançar, ler e conversar. Um dia terá um gato preto chamado Plutão.
0 Comentários | BLOGGER
Comentários | FACEBOOK

0 comentários:

Postar um comentário

 
© Tribo Letras, VERSION: 01 - janeiro/2017. Todos os direitos reservados.
Criado por: Maidy Lacerda
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo