Branco

29 julho 2015


   Hoje acordei querendo escrever uma crônica.  Foi um pensamento – não, uma ideia – súbita, que me envolveu fazendo cócegas em meu rosto. O sol matinal fraco, os livros empoeirados e a mesa organizada com papéis espalhados e restos de lápis – a única organização possível que meu cérebro escapista conseguia suportar – definia um quadro, mais precisamente um esboço do cenário que mergulharia enquanto buscava as palavras, matando-as no mundo ideal e às ressuscitando com o amor de um criador no mundo (não tão perfeito, mas maravilhoso enquanto possível) da página em branco. 

 Esperava que o desejo se materializasse como que por mágica em algo concreto, alguma coisa que pudesse ser transmitida por frases continuadas, sem o romântico ardor desconexo dos pensamentos. É como dizem, a mente voa enquanto as palavras correm. Mas a minha mente não voava, longe disso; a ideia de escrever uma crônica foi o mais alto que minha mente fora essa manhã, num profundo corte em direção às nuvens. E depois, ela voltou, estacionou numa brisa leve e seguiu caminho, tranquilo e corriqueiro, enquanto minhas mãos reais preparavam café preto.

 A fantasia mantinha-se distante, mantendo uma distância segura entre meu ser ordinário e a ideia que o alegrara. Olhava minha escrivaninha, a caneca vazia de ontem em cima da enciclopédia, o banco de madeira, tudo mais ou menos escondido pela fumaça que nascia do copo na minha mão. Nada se transformava como deveria, nada me levava ao prazer de tornar a ideia real. Ou tão real quanto a realidade permitiria.    

 Sentar-me não ajudou. Verdadeiramente, congelou qualquer brilho psíquico, tamanho é o poder de uma folha em branco. As letras tornam-se rabiscos, os dedos sobrevoam o teclado sem encontrar o que procuram – se é que procuram mesmo alguma coisa. O café esfriou e bebi apesar disso. Afastei-me e enchi novamente o copo. Não havia brilho nenhum, mas tinha a cafeína – e seu aroma – comigo, num aperto de mão firme.

 O último gole se foi, enevoando minha mente e a agitando. E num ímpeto inexplicável, típico dos pivetes à procura de aventuras, fui até a escrivaninha, desviando das almofadas no tapete, e digitei a palavra Outono. Só isso. Não foi o bastante para acordar a fantasia, mas diminuiu o monstro que só eu via. Fui embora, para o mundo – e mais ordinário ainda – real.

 Depois de quinze copos de café, distribuídos em quinze ensolaradas manhãs, Outono foi o título de um poema. O primeiro poema que escrevi na vida. 



Alana Campanha
Há milênios perdida nesta Terra, sobrevive de histórias feitas por seus habitantes. Ama escrever, criar tramas surreais e se aventurar pela literatura. Apaixonada por Doctor Who, sonha em viajar por esse mundo um dia desses.
0 Comentários | BLOGGER
Comentários | FACEBOOK

0 comentários:

Postar um comentário

 
© Tribo Letras, VERSION: 01 - janeiro/2017. Todos os direitos reservados.
Criado por: Maidy Lacerda
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo